Pular para o conteúdo principal

Estrelas Anãs

Estrela anã

São estrelas pequenas e de grande densidade que esgotaram o seu combustível nuclear e em que o seu brilho resulta do calor residual. Em 1935, o astrónomo indiano Subrahmanyan Chandrasekhar aplicou a física dos eletrões gasosos degenerados ao modelo de uma estrela. Verificou que a pressão exercida pelos eletrões podia resistir à força da gravidade somente para estrelas de massa inferior a 1,4 da massa solar e que tais estrelas deviam ter uma densidade de cerca de 109 kg/m3. Tais estrelas cuja história termonuclear está terminada são as anãs brancas. Não fusão de elementos leves nem é produzida nova energia.
 
A energia térmica armazenada flui para a superfície por transmissão devido à sua elevada densidade. O núcleo forma uma estrutura cristalina embebida em gás degenerado. Se a expulsão das camadas exteriores da estrela deixa um núcleo de carbono, a anã branca, uma vez arrefecida e consolidada, pode constituir um cristal sólido de carbono.Muitas estrelas brancas anãs provavelmente são constituídas por uma mistura de grandes quantidades de carbono e oxigénio.

Chandrasekhar descobriu também que quanto mais densa era a estrela menor era o seu raio. Quando a estrela não tem cerca de 1,4 da massa solar, tem a maior densidade e o menor raio possível. O aumento de massa e da força gravitacional sobrepõe-se à pressão do gás substituído por eletrões degenerados. A estrela colapsa e deixa de ser estável. Esta massa, 1,4 da massa solar, é chamado o limite de Chandrasekhar e assinala o ponto em que a massa de eletrões degenerados é esmagada pela gravidade. Em 1862, o fabricante americano de instrumentos óticos, Alvan Clark, observou a estrela Sírius B. Mais tarde verificou-se que esta estrela era uma anã branca com uma densidade média de 3 biliões de quilogramas por metro cúbico.

Algumas das estrelas anãs vistas ao longe são brancas, mas algumas são amareladas e outras avermelhadas com temperaturas superficiais inferiores a 4000 ºC. Algumas têm altas temperaturas, 70 000 ºC. Estas quentíssimas estrelas (temperaturas superiores a 25 000 ºC) emitem raios-X. A sua luminosidade resulta do fluxo da energia térmica interna depois de as reações nucleares terem terminado. Muito lentamente (durante biliões de anos) a sua energia interna armazenada irradia para o espaço. Eventualmente uma estrela anã branca pode tornar-se numa estrela anã negra (não confundir com buraco negro).
Até agora foram identificadas cerca de 1000 estrelas como estrelas anãs. Devido à sua fraca luminosidade, são difíceis de observar.
Fonte: http://www.infopedia.pt/

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Classificação das Estrelas

Formação


O nascimento de uma estrela começa com uma vasta nuvem de gás e poeira flutuando no espaço interestelar. Basicamente, o processo representa a vitória da gravidade sobre a pressão. A gravidade comprime o gás para o centro da estrela, obrigando-a a produzir energia que gera a pressão suficiente para conter o colapso. O núcleo da estrela, gigantesco reator de fusão nuclear, processa a matéria do meio interestelar sintetizando, a partir dela, elementos químicos mais pesados. A gravidade atua inexoravelmente, comprimindo a estrela até levá-la a esgotar sua fonte de energia. As estrelas de pequena massa caminham para a morte resfriando-se lentamente, enquanto que as de grande massa explodem de forma violenta (brilhando 100 bilhões de vezes mais que o Sol), espalhando pelo meio interestelar os elementos químicos que foram processados no núcleo. A matéria interestelar assim “enriquecida” de elementos pesados será continuamente reprocessada em novos ciclos de formação, vida e morte de e…

O Final de uma estrela

Estrelas que se formam com menos do que umas 20 massas solares, em geral, terminam como anãs brancas, após considerável perda de massa. Como vimos anteriormente, todas as anãs brancas têm que ter massa menor do que o limite de Chandrasekhar. Se sua massa inicial é maior do que o limite de Chandrasekhar, então elas têm que ejetar seus envelopes durante a fase de nebulosa planetária até que sua massa esteja abaixo deste limite. Um exemplo de intensa perda de massa nos estágios finais é o da Nebulosa Olho de Gato, mostrada abaixo:



O estágio em que uma estrela deixa o ramo assintótico de gigantes e se torna uma anã branca depende do quão rápido ela consome seu combustível nuclear em suas regiões centrais. Estrelas de alta massa irão iniciar a queima de núcleos de carbono e extender sua existência. As de massa ainda maior irão também fundir neônio depois de usar o carbono e assim por diante. Contudo, uma vez tendo um caroço de ferro, não há mais reações nucleares de fusão. A síntese de núcl…

O que é um PULSAR

Os pulsares são estrelas excepcionalmente pequenas e muito densas. Tanto que 260 milhões deles poderiam caber no mesmo volume da Terra, e 1,3 milhões de Terras caberiam no mesmo volume de nosso Sol. Apesar de terem uma pequena fração do tamanho da Terra, os pulsares podem apresentar um campo gravitacional até 1 bilhão de vezes mais forte que o nosso. Os astrônomos acreditam que essas estrelas de nêutrons sejam remanescentes de estrelas que entraram em colapso ou de supernovas. À medida que uma estrela moribunda perde energia, ela entra em colapso. A partir desse momento, toda a sua matéria é comprimida para seu próprio interior, tornando-se cada vez mais densa. Quanto mais a matéria da estrela se move em direção ao seu centro, ela gira cada vez mais rápido, da mesma forma que os praticantes de patinação artística giram mais rápido ao juntar seus braços. Isso explica a rotação incrivelmente rápida de certos pulsares.
Por que os pulsares "pulsam"?
Os pulsares, na realidade, não…