Pular para o conteúdo principal

Grupos de Galáxias


No Cosmos, as maiorias dos objetos tendem a se agruparem. Seja em sistemas planetários (grupos de planetas luas e estrelas), seja em sistemas estelares (binárias, triplas, etc.), em aglomerados de estrelas (abertos ou globulares), ou seja, em galáxias, enormes aglomerados os quais englobam todos os tipos de objetos. Nesse sentido, nada mais natural que as galáxias se agrupassem. Pois isso acontece. As galáxias formam grupos, que possuem vários tamanhos e variam em quantidade de elementos.

GRUPO
Um grupo é um conjunto de galáxias, onde pelo menos 12 (doze) delas são mais luminosas que a magnitude absoluta -16, e que estão contidas num volume mínimo de 1 (um) Mpsc (mega-parsec) de raio. Essa concentração de estrelas representa cerca de 10 vezes a densidade de fora do grupo.

O GRUPO LOCAL DE GALÁXIAS    
A nossa Galáxia, a Via Láctea, também pertence a um grupo, chamado apropriadamente de Grupo Local. Ele é uma região que abrange as galáxias existentes dentro de um raio de 1,3 Mpsc, a partir da nossa Galáxia. Numa listagem, conferimos os constituintes do Grupo. Existem duas galáxias espirais gigantes, Andrômeda (M31) e a Via Láctea; duas de tamanho médio, a galáxia do Triângulo (M33) e a Grande Nuvem de Magalhães; uma pequena elíptica, M32 (satélite de Andrômeda); cerca de meia dúzia de pequenas galáxias irregulares; uma dúzia de galáxias anãs e vários objetos do tamanho de aglomerados globulares. Todos perfazem um total de cerca de 30 objetos, observados. Não há uma concentração central no nosso Grupo, existem sim dois subgrupos, centrados na nossa Galáxia e em Andrômeda. Estas duas por si só concentram 70% da massa total do Grupo, a qual equivale a cerca de 650 bilhões de massas solares. Dada essa distribuição de massas, o centro do nosso Grupo encontra-se quase à metade da distância entre a nossa Galáxia e a galáxia de Andrômeda (cerca de 2,2 milhões de anos-luz), e a Via Láctea se afasta dele com uma velocidade de cerca de 137 km/s. A partir desses dados, é calculada uma massa, chamada massa dinâmica, que possui uma magnitude 4 (quatro) vezes maior que a observada. Isso nos leva a concluir que existe mais massa que a observada, mas onde ela estaria? Parte pode ser encontrada em galáxias invisíveis da Terra, devido, basicamente, a dois motivos:
  • Galáxias podem estar atrás da nossa, ou seja, o plano galáctico impede a detecção de possíveis objetos que estejam naquela posição;
  • Galáxias anãs não são facilmente detectadas quando se encontram além da distância que nos separa de Andrômeda.
Desse modo, estima-se que o número total de objetos contidos no nosso Grupo Local chegue à cifra de 100 (cem). Além do nosso Grupo, existem vários outros aglomerados de galáxias espalhados pelo Cosmo, e na nossa vizinhança encontramos os dois mais próximos, que são o grupo do Escultor a 2,4 Mpsc de distância e o grupo da Ursa Maior-Camaleão a 3,0 Mpsc distante.

ALÉM DOS GRUPOS
Se a nossa escala de tamanho se ampliasse, iríamos nos deparar com grupos de grupos de grupos e assim por diante, até chegarmos aos superaglomerados de galáxias e às estruturas filamentares do universo, onde cada superaglomerado é mostrado como um mísero pontinho num esquema desenhado.
Fonte: Centro de Divulgação da Astronomia

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Classificação das Estrelas

Formação


O nascimento de uma estrela começa com uma vasta nuvem de gás e poeira flutuando no espaço interestelar. Basicamente, o processo representa a vitória da gravidade sobre a pressão. A gravidade comprime o gás para o centro da estrela, obrigando-a a produzir energia que gera a pressão suficiente para conter o colapso. O núcleo da estrela, gigantesco reator de fusão nuclear, processa a matéria do meio interestelar sintetizando, a partir dela, elementos químicos mais pesados. A gravidade atua inexoravelmente, comprimindo a estrela até levá-la a esgotar sua fonte de energia. As estrelas de pequena massa caminham para a morte resfriando-se lentamente, enquanto que as de grande massa explodem de forma violenta (brilhando 100 bilhões de vezes mais que o Sol), espalhando pelo meio interestelar os elementos químicos que foram processados no núcleo. A matéria interestelar assim “enriquecida” de elementos pesados será continuamente reprocessada em novos ciclos de formação, vida e morte de e…

O Final de uma estrela

Estrelas que se formam com menos do que umas 20 massas solares, em geral, terminam como anãs brancas, após considerável perda de massa. Como vimos anteriormente, todas as anãs brancas têm que ter massa menor do que o limite de Chandrasekhar. Se sua massa inicial é maior do que o limite de Chandrasekhar, então elas têm que ejetar seus envelopes durante a fase de nebulosa planetária até que sua massa esteja abaixo deste limite. Um exemplo de intensa perda de massa nos estágios finais é o da Nebulosa Olho de Gato, mostrada abaixo:



O estágio em que uma estrela deixa o ramo assintótico de gigantes e se torna uma anã branca depende do quão rápido ela consome seu combustível nuclear em suas regiões centrais. Estrelas de alta massa irão iniciar a queima de núcleos de carbono e extender sua existência. As de massa ainda maior irão também fundir neônio depois de usar o carbono e assim por diante. Contudo, uma vez tendo um caroço de ferro, não há mais reações nucleares de fusão. A síntese de núcl…

O que é um PULSAR

Os pulsares são estrelas excepcionalmente pequenas e muito densas. Tanto que 260 milhões deles poderiam caber no mesmo volume da Terra, e 1,3 milhões de Terras caberiam no mesmo volume de nosso Sol. Apesar de terem uma pequena fração do tamanho da Terra, os pulsares podem apresentar um campo gravitacional até 1 bilhão de vezes mais forte que o nosso. Os astrônomos acreditam que essas estrelas de nêutrons sejam remanescentes de estrelas que entraram em colapso ou de supernovas. À medida que uma estrela moribunda perde energia, ela entra em colapso. A partir desse momento, toda a sua matéria é comprimida para seu próprio interior, tornando-se cada vez mais densa. Quanto mais a matéria da estrela se move em direção ao seu centro, ela gira cada vez mais rápido, da mesma forma que os praticantes de patinação artística giram mais rápido ao juntar seus braços. Isso explica a rotação incrivelmente rápida de certos pulsares.
Por que os pulsares "pulsam"?
Os pulsares, na realidade, não…